Fotografia: uma montanha russa

Não sei dizer quando exatamente comecei a me interessar por fotografia. Lembro das aventuras de me esconder com a câmera analógica lá de casa e abrir a parte traseira para ver como era o filme, até algum adulto chegar, tirar ela de mim e falar que as fotos iriam ficar todas "queimadas". 

Recordo também da minha grande viagem para Tramandaí, aos 10 anos. Eu precisava de uma câmera para registrar todos os momentos que iria passar por lá, foi então que ganhei dos meus pais uma pequena fujifilm finepix F10 - lembro da minha emoção até hoje. 


A internet sempre me inspirou na hora de pensar em como retratar as coisas ao meu redor, que luz usar, que ângulo experimentar. Nunca fui grande estudiosa na área. Fui descobrir quem era Cartier-Bresson, Ansel Adams ou Vivian Maier a apenas dois anos atrás - não tenho vergonha de dizer isso, para muitos fotógrafos desconhecer esses nomes é uma ofensa - para mim, é só um detalhe. 

Show do Esteban Tavares, no Opinião. 

Quando percebi que poderia levar esse hobby mais além insisti para ganhar um equipamento melhor, começou a surgir as dúvidas: Canon? Nikon? Qual a melhor? No final, continuei com uma fujifilm por questões monetárias, mas foi com ela que aprendi a controlar ISO, obturador e diafragma. Ah! foi com ela também que fiz meu primeiro job e ganhei uma grana modesta. 

Na hora de escolher uma profissão, foi a fotografia que me fez decidir de vez investir no jornalismo. Já no primeiro semestre fui monitora no laboratório da faculdade, realizei ensaios de graça para ganhar experiência e finalmente adquiri um equipamento profissional (ainda sonho com uma fisheye). 


Foi a partir daí que começaram as desculpas. Não é atoa que no título desse texto há a expressão "uma montanha russa". Pensava em sair para fotografar mas lembrava dos assaltos. Pensava em realizar ensaio de amigas, mas e se não ficasse bom? Pensava em cobrir shows, mas e se perdesse o momento certo? Melhor dizer que a fotografia não foi feita para mim e deixar as oportunidades passarem na minha frente. 

A internet que antes me ajudava começou a me reprimir. Pensava demais em curtidas, queria um retorno positivo. Nada veio. A criatividade foi sendo substituída por preguiça e não via nada para se registrar por onde eu passava. Os grupos de pessoas que se reuniam para passeios fotográficos não se juntavam mais e aos poucos tudo que adquiri e tudo que me estimulava na área não existia mais. 

Hoje eu estou correndo atrás do tempo perdido. Na verdade, enquanto escrevo ainda não comecei nem a caminhar, mas como o objetivo desse blog é retomar as metas que tinha, espero me importar menos com as opiniões que vem de fora e também com as de dentro. 

A meta agora é recomeçar. 




2 CM:

  1. Para começar queria dizer que adorei as fotos que percorrem o texto, e penso que devias continuar a trabalhar para conseguires os teus objectivos no campo de fotografia, porque eu gostei muito das que vi e acredito que outras pessoas vão sentir o mesmo em relação às tuas fotografias.
    Só queria acrescentar que percebo exactamente a "montanha russa" que descreves, mas relacionada com outros campos, como por exemplo a escrita! Boa sorte para o teu recomeço! http://chadasseiseumquarto.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada por passar por aqui, Jéssica, além do teu comentário positivo. Vamos tentando conciliar as montanhas russas. Em relação a escrita, te desejo boa sorte e muita motivação.

      Excluir