[RESENHA] Caixa de pássaros


Não abri os olhos durante a noite por um bom tempo depois desse livro. A história começa pelos capítulos finais e pela indecisão da personagem em realizar uma viagem. Malorie é uma menina jovem, que morava com a irmã - longe da casa de seus pais - quando descobriu que estava grávida, ao mesmo tempo que uma epidemia invade o Alasca e vai se espalhando por todos os lados. 

Todas as pessoas são obrigadas a ficarem dentro de casa, com as janelas fechadas. Ninguém sabe a causa da epidemia, nem de onde ela surgiu. A única informação é que ela é transmitida pela visão, e que também é fatal. Conforme o tempo de gestação aumenta, o medo de Malorie também vai crescendo. Em que mundo irá criar seu filho? 

A primeira pessoa próxima a morrer é Shannon, irmã da personagem principal. A garota se suicida de forma cruel após ver algo pela janela de sua casa. É nesse momento que Malorie se desespera e percebe que não pode ficar sozinha. Vê um anúncio do jornal de um local que promete segurança e começa uma corrida em busca desse abrigo. Com olhos fechados, a personagem pega o carro e sai procurando pessoas pelas ruas, até que chega ao local anunciado.

Logo percebe-se que muitos outros tiveram a mesma ideia. Na simples casa moram 6 estranhos que precisam aprender a viver juntos. Uns preparam a comida, outros tentam comunicação com o mundo exterior. E aos poucos novos personagens entram. A audição dos moradores fica cada vez mais precisa, pois não podendo abrir os olhos para ver além, é preciso aprimorar os outros sentidos. A maior parte do livro então se passa dentro da casa. 

Tom, Don, Rules, Felix, Cheryl, Olympia, Gary, Malorie e o cachorro Victor precisam correr contra o tempo em busca de suprimentos para conseguir sobreviver. Muitos diriam que a história é cansativa pelo cenário não mudar. Para mim, o suspense de não saber quem bate na porta, ou quem são realmente as pessoas ao redor, completam qualquer lacuna existente na história. 

Este é o primeiro livro de Josh Malerman e é incrível como o autor conseguiu criar uma atmosfera de suspense e de terror logo em seu primeiro lançamento. Não saber contra o que se luta me lembrou do livro ensaio sobre a cegueira, do português josé saramago, e o clima de terror e de desespero que invade as pessoas que convivem com a realidade de perder um dos sentidos é tão forte que chega a invadir o leitor. 

O livro é da editora Intrínseca, tem 272 páginas e se você tiver 25 reais no bolso, pode comprar ele tranquilamente pela saraiva e pelo submarino



Deixe sua opinião